icon openMenu
Cão Nosso - Pet Sitting

Schnauzer

TRÊS VARIEDADES

FICHA TÉCNICA

HISTÓRIA

Um companheiro multifacetado

A origem do nome desta raça deriva da palavra alemã schnauze, que significa focinho. Este nome faz alusão ao formato longo e sólido do focinho do Schnauzer.

A criação do Schnauzer Padrão, a mais antiga das três variedades – as quais correspondem a três raças autónomas –, ocorreu no sul da Alemanha durante o século XV, onde era utilizado para a condução de gado. Mas dadas as suas capacidades, o leque de funções que desempenhou na vida rural aumentou, trabalhando como caçador de ratos, cão de guarda e, principalmente, como ajudante dos viajantes, acompanhando as carruagens e os cavalos, com quem tinha uma grande ligação. Correndo ao lado e, não raras vezes, à frente destes, o Schnauzer inspeccionava o caminho e, em caso de perigo, ladrava energicamente para os avisar a tempo de pararem.

A ascendência do Schnauzer Padrão é difícil de decifrar. Há quem diga que descende do Cão Pastor da Idade Média e de um terrier. Para outros, o Schnauzer é o resultado do cruzamento entre o Schafer Pudel e o Pinscher Alemão de Pêlo de Arame. Existem também aqueles que defendem que os antepassados desta raça eram cães spitz e de guarda. Entre estas e outras teses, o mais certo é permanecermos na dúvida relativamente a esta questão.

Até um determinado momento, o Schnauzer foi conhecido como Pinscher de Pêlo Duro ou, simplesmente, Schnauzer-Pinscher. A sua beleza estética levou-o a ser frequentemente representado na pintura, nomeadamente pelas mãos de Albrecht Dürer e de Rembrandt.

Já no século XVIII, os pastores da Baviera sentiram a necessidade de ter um cão mais possante para conduzir o gado. Foi então que, cruzando o Schnauzer Padrão com outras raças, provavelmente com o Dogue Alemão e o Bouvier (Boiadeiro) da Flandres, se criou o Schnauzer Gigante. Apesar de se ter revelado um exímio condutor de gado e um excelente cão de guarda, o número de exemplares de Schnauzers Gigantes viria a diminuir consideravelmente, devido às suas necessidades em termos de alimentação, dificilmente satisfeitas nos períodos de maior carência.

Felizmente, esta raça viria novamente a ganhar protagonismo, trabalhando como cão polícia no seu país e como militar e auxiliar da Cruz Vermelha durante a I Guerra Mundial. Nesta altura, era conhecida como Russian Bear Schnauzer.

Embora a II Guerra Mundial tenha afectado profundamente o Schnauzer Gigante, a sua popularidade tem vindo a ser reconquistada, sendo muito apreciado como animal de companhia.

A última variedade a aparecer foi o Schnauzer Miniatura. Talhado para caçar ratos, este Schnauzer foi criado no final do século XIX, na região de Frankfurt, através do cruzamento do Schnauzer Padrão com o Affenpinscher e com o Pinscher Miniatura. Há quem diga que o Caniche também participou nesta criação, embora não existam provas concretas nesse sentido.

temperamento

A força do carácter

Afectuosos e extremamente leais para com os seus donos, qualquer uma das variedades de Schnauzers é muito inteligente e fácil de treinar. O facto de serem muito corajosos e desconfiados em relação a estranhos torna-os, principalmente os de tamanho Padrão e Gigante, excelentes cães de guarda. No entanto, esta faceta também exige que sejam sociabilizados desde pequenos para que não se tornem agressivos para outros cães.

A importância desta socialização é ainda maior para o Schnauzer Gigante, uma vez que, a par do espírito de Terrier que partilha com as outras variedades, tem bastante mais força.

Contrariando o que acontece com muitas raças de porte pequeno, o Schnauzer Miniatura não tem tendência para ladrar excessivamente, embora o faça mais frequentemente que as variedades maiores. O seu tamanho faz dele um cão de companhia muito procurado, mostrando-se tão meigo com a sua família, muito especialmente com as crianças, como desconfiado com estranhos.

Nenhum Schnauzer, principalmente o Miniatura, gosta de andar à chuva.

saúde

Os problemas que mais afectam qualquer uma das variedades de Schnauzers são o hipotireoidismo, a pancreatite, as infecções urinárias e a atrofia progressiva da retina.

No que se refere particularmente ao Schnauzer Gigante, à imagem do que acontece com outras raças de grande porte, tem uma certa susceptibilidade para a displasia da anca e para a torção do estômago.

Todos os Schnauzers, dada a sua inteligência e energia, precisam de ser estimulados física e psicologicamente. O exercício físico, acompanhando de jogos, assegurará o seu equilíbrio e felicidade. Os Schnauzers Miniatura e Padrão adaptam-se na perfeição à vida num apartamento, e mesmo o Gigante também pode adaptar-se, embora requeira, naturalmente, mais espaço.

No que se refere aos cuidados com a pelagem, esta precisa de ser tosquiada duas vezes por ano e escovada duas vezes por semana. Os Schnauzers têm a vantagem de largar pouco pêlo, sendo uma das raças indicadas para pessoas com alergias.

características

Curiosidades

Ao longo da História, várias foram as celebridades que escolheram uma das variedades de Schnauzer para as acompanhar nas suas vidas, desde o piloto brasileiro de Fórmula 1 Ayrton Senna, até ao realizador e aos actores norte-americanos Francis Ford Cappola, Bruce Lee e Steve MacQueen, respectivamente, passando pelos cantores, também norte-americanos, Usher e 50 Cent.

Alguns políticos deixaram-se igualmente encantar por esta raça, nomeadamente Vaclar Havel, intelectual, escritor e estadista, último Presidente da Checoslováquia e primeiro Presidente da República Checa.

partilhar
partilhar