Rafeiro do Alentejo

Ficha Técnica

História

O antigo guardião das planícies alentejanas

Há imagem do que acontece com a grande maioria dos molossos europeus, o Rafeiro Alentejano descende dos mastins tibetanos, que se espalharam por todo o continente asiático e que, posteriormente, chegaram a toda a Europa pela mão dos Romanos. Utilizados inicialmente como cães de guerra, os molossos sofreram significativas alterações ao longo dos séculos, influenciadas pelas particularidades de cada região geográfica. Se na Grã-Bretanha foram utilizados sobretudo como animais de tracção, na Península Ibérica foram desenvolvidos como cães de pastoreio, protegendo os rebanhos de potenciais predadores, como o lobo ibérico, e de ladrões.

Em Portugal, nas épocas mais quentes do ano, os rebanhos migravam das planícies alentejanas para as montanhas do norte do país, chegando a ir até ao Douro. Nas épocas mais frias, o percurso era precisamente...

Temperamento

Tolerante para os seus, intolerante para os demais

Apesar do seu temperamento calmo e equilibrado, o Rafeiro Alentejano defende energicamente a sua propriedade, emitindo um ladrar grave, profundo e audível a grandes distâncias, que afasta qualquer intruso. É, de facto, um excelente cão de guarda, designadamente de propriedades, estando especialmente alerta durante a noite. Devido à sua rapidez, pode também assumir a função de cão de caça grossa, embora pouca gente saiba disso.

Confiante, fiel e muito chegado à sua família, o Rafeiro Alentejano é tolerante e dócil para com as crianças, embora esta relação, como acontece com todos os cães, deva ser sempre vigiada. O amadurecimento desta raça é tardio, ocorrendo por volta dos quatro anos.

Devido à sua força e às características próprias de um cão de guarda, como o apurado sentido territorial, é importante...

Saúde

Há semelhança do que acontece com outras raças rústicas, o Rafeiro Alentejano é um cão saudável. Todavia, é afectado pelos problemas típicos dos cães de grande porte, designadamente pela displasia da anca e dos cotovelos. Neste sentido, é importante estar atento ao surgimento de qualquer problema articular, eliminando-o ou atenuando-o o mais rapidamente possível.

Os cuidados com a pelagem são importantes, sendo essencial, pelo menos, uma escovagem semanal para manter o pêlo limpo. Nas alturas em que muda de pêlo, que acontece duas vezes por ano, a escovagem dever ocorrer com maior frequência.

Aparência Física

Silhueta Rafeiro do Alentejo

Características

Curiosidades

Curiosidades

A audácia do Rafeiro Alentejano levou a que fossem feitas experiências para o usar no controlo de coiotes nos ranchos de ovelhas nos Estados Unidos. No entanto, por ter sido considerado excessivamente agressivo e independente, acabou por ser preterido em relação a outras raças.

Nota: Todas as fotografias expostas do Rafeiro do Alentejo foram gentilmente cedidas pelo Canil Forte d´Elvas.

Outras raças