icon openMenu
Cão Nosso - Pet Sitting

Pastor Alemão

FICHA TÉCNICA

HISTÓRIA

Um orgulho da criação alemã

O historiador romano Tácito, um dos maiores da antiguidade, escreveu sobre “o cão tipo lobo do país à volta do Reno”. Este cão a que Tácito se referiu será, muito provavelmente, o ascendente do Pastor Alemão, bem com dos Pastores Belgas.

Existem duas teorias sobre o passado desta raça. Uma aponta para que alguns lobos tenham sido cruzados com cães domésticos, dando origem a uma raça muito próxima daquela que hoje conhecemos. A outra, bastante mais plausível, aponta para que o Pastor Alemão descenda de cães autóctones das regiões a sul da Alemanha, onde, desde tempos longínquos, as actividades de pastoreio assumiram grande relevância e para as quais eram necessários cães que guardassem e protegessem o gado de potenciais predadores, designadamente do lobo. De facto, existem registos, datados do século VII d.C., que documentam a presença de cães de pastoreio naquelas regiões.

A revolução industrial, que atravessou a Europa no século XIX, veio acabar com algumas das funções que os cães assumiam, uma vez que a máquina os podia substituir, colocando em risco a sobrevivência de certas raças. Para não se perder este património, tornou-se necessário preservar e diferenciar os diferentes cães que haviam sido desenvolvidos durante séculos. Neste contexto, em 1891, é fundada na Alemanha a sociedade Phylax, que pretendia tipificar as raças alemãs. Embora tenha durado apenas quatro anos, por discordâncias entre aqueles que se centravam na capacidade de trabalho e os que atribuíam valor à componente estética, esta sociedade trouxe ao de cima a necessidade de classificar as diferentes raças caninas.

Em 1895, com a intervenção fulcral do oficial de cavalaria alemão Max von Stephanitz, juntamente com outros criadores germânicos altamente competentes, é iniciada uma selecção de cães pastor oriundos de Vurtemberga, Turíngia e Baviera, que levaria à criação do Pastor Alemão que hoje conhecemos. Alguns anos depois, é fundada a Verein für Deutsche Schäferhunde, a primeira associação de criadores de Pastores Alemães, que contribuiu para o apuramento e aperfeiçoamento da raça.

O Pastor Alemão, que representa um factor de orgulho para a criação alemã, desempenhou um papel relevante na I Guerra Mundial, onde assumiu as funções de mensageiro, de guarda e de resgate. Da mesma forma, durante a II Guerra Mundial, esta raça foi muito requisitada não só para as funções que havia desempenhado no conflito anterior, mas também para outras, designadamente para detectar minas. Contrariamente ao que aconteceu com a esmagadora maioria das raças, seriamente afectadas pelas duas Grandes Guerras, o Pastor Alemão saiu fortalecido, uma vez que as suas capacidades foram internacionalmente reconhecidas. Acabados os conflitos, muitos soldados levaram exemplares desta raça para casa.

Com a II Guerra Mundial, o Pastor Alemão passou também a ser conhecido como Lobo da Alsácia, ou Cão Alsaciano, principalmente no Reino Unido. Esta nova designação derivava do ódio a tudo o que se relacionasse com a Alemanha. No entanto, em 1977, ultrapassou-se este preconceito e a raça recuperou oficialmente o seu nome original.

Actualmente, o Pastor Alemão é a raça de cão pastor mais popular em todo o mundo, graças às suas qualidades temperamentais, à força do seu caracter e à sua beleza estética.

temperamento

O cão dos sete ofícios

No conhecido livro “A inteligência dos cães”, da autoria do escritor e psicólogo norte-americano Stanley Coren, o Pastor Alemão está colocado na terceira posição no ranking das raças mais inteligentes. Considerado como “o cão dos sete ofícios”, o Pastor Alemão pode assumir a função de guarda, de salvamento, de farejador de drogas, de guia para cegos, entre muitas outras, designadamente, claro está, de companhia. De facto, esta é uma das raças mais completas, aliando a inteligência e a grande capacidade de aprendizagem a uma coragem e lealdade inquestionáveis.

O Pastor Alemão tem uma constante vontade de agradar ao dono e gosta de estar sempre próximo da sua família, estando sempre preparado para a proteger. Tem uma boa relação com crianças, com quem gosta de brincar. Apesar de ser obediente, é importante que seja socializado desde tenra idade, habituando-se a conviver com pessoas que lhe são estranhas e com outros animais. Caso contrário, poderá revelar um comportamento agressivo e exageradamente protector para com a sua família.

Sendo um cão de trabalho, o Pastor Alemão necessita de fazer exercício regularmente para que mantenha o equilíbrio físico e psicológico. Desportos com o schutzhund, onde os cães têm que ultrapassar vários desafios que põem à prova as suas capacidades físicas e olfactivas, ou o agility, onde os cães têm que concluir um percurso o mais rapidamente possível, tendo que passar por túneis, saltar vedações, entre outras coisas, são excelentes actividades físicas que podem contribuir muito para um desenvolvimento saudável dos exemplares desta raça.

saúde

Como sucede com muitas das raças de grande porte e com uma caixa torácica profunda, os problemas gastrointestinais, designadamente a torção do estômago, constituem uma grande preocupação. Para diminuir a probabilidade de ocorrência destes problemas, deve-se evitar submeter os cães a um elevado esforço físico após as refeições, assim como evitar que comam muito de uma só vez, separando a ração diária em duas ou três refeições.

A displasia da anca e do cotovelo são outras das doenças que afectam bastante os cães com a morfologia do Pastor Alemão.

As doenças de pele e o surgimento de tumores também podem ocorrer nesta raça. Quanto às primeiras, deve-se procurar dar banho o mínimo de vezes possível para diminuir o risco de surgimento de dermatites e evitar que a pele perca a sua oleosidade natural.

Quanto aos cuidados com a pelagem, é conveniente que seja escovada diariamente para remover o pêlo morto.

Finalmente, interessa apenas referir que a popularidade do Pastor Alemão levou a uma criação indiscriminada, preocupada apenas com o lucro e desprezando a qualidade dos exemplares. Como acontece com todas as raças, e com esta particularmente, importa estudar atentamente o criador a quem se pretenda adquirir um exemplar, observando os progenitores e fazendo todas as questões que se considerem relevantes.

características

Curiosidades

A capacidade de aprendizagem do Pastor Alemão permitiu-lhe ser a raça escolhida para participar em vários filmes e séries, principalmente os de género policial, como foi o caso da série austríaca “Rex, O Cão Polícia”.

Mas a interpretação mais célebre foi protagonizada, durante os anos vinte do século passado, por Rin Tin Tin, um cão resgatado pelo norte-americano Lee Duncan de um canil alemão que havia sido bombardeado durante a Primeira Guerra Mundial. Duncan ensinou vários truques ao seu cão, levando o produtor cinematográfico Charles Jones a pagar-lhe para lançar Rin Tin Tin no cinema, tendo-se estreado, em 1922, no filme “The Man From Hell's River”, onde protagonizou o papel de um lobo. A partir desse momento, vários filmes se seguiram, tais como “Where The North Begins”, onde contracenou com a famosa actriz Claire Adams, acabando por participar em 22 filmes. Há quem diga que o sucesso deste cão actor salvou a Warner Brothers, actualmente a maior produtora de filmes do mundo, da falência.

Rin Tin Tin actuou também na rádio, onde participou em três séries, a primeiras das quais chamada “The Wonder Dog”. A sua bem-sucedida carreira artística levou a que fosse homenageado com uma estrela na Calçada da Fama, em Hollywood.

partilhar
partilhar