Cão Nosso - Pet Sitting Lupa icon open

Galgo Afegão

FICHA TÉCNICA

HISTÓRIA

O caçador das montanhas

O Galgo Afegão é uma raça muito antiga, cujas origens rementem-nos para um passado remoto. Nas cavernas do Norte do Afeganistão encontram-se desenhos dos antepassados deste galgo, que também são retractados em papiros egípcios com mais de 7000 anos. Os ancestrais do Galgo Afegão viviam em matilhas que coabitavam com os humanos, especialmente na zona onde hoje é o Afeganistão. Terão, muito provavelmente, chegado a este país da Ásia Central vindos do Médio Oriente.

De há muito tempo para cá, as populações locais têm apurado e usado os galgos para a caça, tornando-os capazes de caçar vários animais, desde coelhos até pequenos felinos, graças à sua excelente visão, velocidade excepcional e tenacidade. O seu prestígio e popularidade eram especialmente elevados porque no território sinuoso do Afeganistão, caracterizado por montanhas e desertos estéreis, a sua ajuda era fundamental para a sobrevivência dos povos locais. Não admira, portanto, que o Galgo Afegão tenha sido considerado, e que de certa forma continue a ser, um verdadeiro tesouro para os afegãos.

Para além de ser um excelente caçador, destacando-se pela sua excepcional capacidade de perseguição da presa, o Galgo Afegão tem também aptidão para cão pastor, o que se justifica pela importância que a pecuária sempre teve na região da Ásia Central, onde se situa o Afeganistão.

Neste país, existem três variedades de Galgos que desempenham tarefas diferentes entre si: pêlo curto; pêlo em franjas; e pêlo longo. Os de pêlo curto, conhecidos principalmente como Kirghiz Taigan, encontram-se nas planícies baixas e são mais robustos, provavelmente devido ao cruzamento com cães pastor locais. Os de pêlo em franjas, que se encontram sobretudo no noroeste do território afegão, junto à fronteira com o Irão, caracterizado por desertos e estepes, são mais altos e capazes de percorrer grandes distâncias. Estes galgos têm um visível parentesco com o Saluki, também conhecido por Galgo Persa. Finalmente, os de pêlo longo e denso, capazes de enfrentar o frio da montanha e considerados os verdadeiros Galgos Afegãos, são um pouco mais baixos para que possam movimentar-se ágil e rapidamente pelas montanhas rochosas, possuindo, também, membros posteriores mais angulados, que lhes permitem saltar com maior facilidade.

A exportação de Galgos Afegãos era proibida e punida, inclusivamente com a pena de morte, dado o caracter quase sagrado que os afegãos lhes atribuíam, o que permitiu preservar a sua pureza por muito tempo. No entanto, durante a ocupação britânica no século XIX, um oficial inglês conseguiu levar para o seu país os primeiros exemplares desta raça, tendo, então, chegado à Europa por volta de 1890. Posteriormente, outros oficiais fizeram o mesmo, ajudando à disseminação do Galgo Afegão (Afghan Hound, como dizem os ingleses) no mundo Ocidental.

Os britânicos cruzaram os diferentes tipos de Galgos Afegãos, dando início à criação moderna da raça que hoje conhecemos. Em 1907, numa exposição canina realizada no Crystal Palace, em Londres, um exemplar desta raça, chamado Zardin, venceu de forma categórica. A partir deste momento, o Galgo Afegão, com todo o glamour que a sua longa e sedosa pelagem, expressão oriental e elegância lhe conferem, passaria a ser uma estrela das exposições.

Na segunda metade do século XX, o seu desenvolvimento no Ocidente assentou sobretudo em aspectos estéticos, designadamente no comprimento e na textura do pêlo, levando-o a ser alcunhado de “o galgo de pijama”. A aparência majestosa do Galgo Afegão, cuja presença confere uma sensação de sofisticação ao ambiente onde está inserido, levou-o aos ecrãs de cinema e da televisão, acabando por ficar, então, conhecido em todo o mundo.

Podemos, nos dias de hoje, encontrar três linhas dentro da raça, que obedecem a diferentes finalidades: companhia; exposição; e desporto (onde se inclui a caça). No Afeganistão, esta continua a ser uma raça funcional, guardando ovelhas e cabras, e caçando lebres, raposas e, até, lobos.

temperamento

Aristocrata na aparência e no feitio

Com o seu longo manto de seda, porte atlético e uma expressão altiva e oriental, o Galgo Afegão chama a atenção de qualquer pessoa que com ele se cruze. Quando caminha, parece que desfila perante uma multidão que o admira, como se fosse um grande senhor, quando corre, nenhuma outra raça se lhe compara em termos de beleza e de graciosidade.

Não obstante ser uma raça que suporta bem o calor, assim como o frio e a chuva, mostrando-se muito resiliente perante os climas mais adversos, tem uma sensibilidade muito aguçada, não lidando bem com a rispidez. Geralmente, tem uma boa relação com outros cães, sendo, assim, fácil de socializar.

Quando estão em casa, os Galgos Afegãos mostram-se bastante calmos e serenos. Mas, quando estão no exterior, adoram correr, acompanhando os donos nas suas corridas ou nos seus passeios de bicicleta. O facto de alcançarem uns incríveis 60 km/h, faz com que sejam utilizados nas corridas de galgos, desporto conhecido como coursing, onde os cães perseguem uma fita ou um coelho mecânico. Infelizmente, este desporto está também associado a maus tratos, uma vez que, mais do que proporcionar um bom momento aos seus cães, os donos destes galgos querem, acima de tudo, que eles vençam as corridas, buscando ganhar dinheiro e desprezando o seu bem-estar.

O Galgo Afegão é desconfiado relativamente a estranhos e, apesar de ser leal e afectuoso com a sua família, não gosta particularmente de participar em brincadeiras, quer seja com pessoas ou com outros cães. Esta atitude independente é acompanhada de um constante estado de alerta, motivado por um instinto de caça extremamente apurado que faz com que passe grande parte do tempo a procurar uma potencial presa. Ainda assim, tem uma baixa tendência para ladrar.

O facto de descender de caçadores solitários e de, por isso, dificilmente acatar ordens, faz com que treinar esta raça seja um grande desafio. Na publicação da autoria de Stanley Coren, chamada “A Inteligência dos Cães”, o Galgo Afegão é considerado a raça que menos responde aos comados de obediência. Esta relutância em obedecer exige um dono com conhecimentos sólidos de comportamento canino, que saiba liderar de forma confiante, tranquila e assertiva, respeitando a especial sensibilidade da raça.  

Normalmente, os amantes do Galgo Afegão apreciam especialmente a sua personalidade forte e a sua postura altiva, uma vez que estas características casam bem com o porte elegante e a aparência nobre que esta raça tem.

É muito importante que os donos de um Afghan Hound invistam muito tempo em exercitá-lo, uma vez que as suas necessidades físicas são muito elevadas. Caso estas necessidades não sejam satisfeitas, o cão ficará muito stressado e ansioso, o que inevitavelmente prejudicará a sua saúde e a relação com o seu dono.

saúde

O Galgo Afegão é geralmente saudável, mas, como acontece com qualquer outra raça, existem algumas doenças que o podem afectar.

A displasia da anca, que se relaciona com um desenvolvimento anormal da cabeça do fémur e/ou do acetábulo, e a displasia do cotovelo, que por sua vez se relaciona com um desenvolvimento anormal da articulação do cotovelo, são malformações que afectam normalmente raças de grande porte e que podem afectar o Galgo Afegão.

O cancro também pode surgir nesta raça. Normalmente, os sintomas incluem um inchaço anormal, feridas que não cicatrizam, dificuldades em respirar ou em defecar, entre outros.

Outra doença a que é preciso estar atento é o hipotireoidismo, que se caracteriza por um distúrbio da glândula da tireóide. Os sintomas incluem infecções de ouvido crónicas, infecções bacterianas da pele, perda de pêlo, letargia e depressão.

As alergias por vezes podem também ocorrer. Espirros e perda de pêlo são os sintomas principais.

Por fim, interessa referir a catarata juvenil, que, dependendo da gravidade, pode ser removida através de uma cirurgia. A Canine Eye Registration Foundation (CERF) define as cataratas como uma “opacidade parcial ou total da lente”, alertando que esta doença é a principal causa de perda de visão dos cães.

No que se refere aos cuidados com a pelagem, estes são muito exigentes. O pêlo longo e sedoso do Galgo Afegão precisa de ser escovado diariamente, evitando-se a criação de emaranhados.  Deve-se dar um banho com um champô adequado regularmente. Também as compridas orelhas e os ouvidos devem ser limpos com grande frequência, por forma a evitar-se a acumulação de sujidade e o consequente surgimento de infecções.

Muitos donos recorrem a babetes ou a molas que unem as orelhas quando os seus Galgos Afegãos estão a comer, por forma a evitar que estas estejam sempre dento da tigela.

Finalmente, é absolutamente fundamental para a saúde física e mental desta raça a prática regular de exercício físico.

características

Curiosidades

Uma equipa de 45 cientistas liderada pelo veterinário e investigador sul-coreano, Hwang Woo-suk, clonou o primeiro cão da História, em Abril de 2005. Este cão, a que deram o nome de Snuppy, era precisamente um Galgo Afegão.