Cão Nosso - Pet Sitting Lupa icon open

Tudo sobre Cães

08.07.2020

COMO ENSINAR O MEU CÃO A FAZER AS NECESSIDADES NO LUGAR CERTO?

Tópicos: Treino de Cães
Trazer um cachorro para o seio da nossa família, ou um cão adulto que nunca tenha vivido dentro de uma casa, significa que teremos de o ensinar a fazer xixi e cocó no lugar certo, entre tantas outras.

Quando trazemos um amigo de quatro patas para casa, umas das primeiras preocupações que surge é ensinar o nosso cão a fazer xixi e cocó na rua, principalmente para todos os que vivem num apartamento. Por forma a que este processo de aprendizagem não demore muito tempo e decorra de forma tranquila, são precisas duas coisas: conhecimentos básicos de comportamento canino e paciência.

Trazer um cachorro para o seio da nossa família, ou um cão adulto que nunca tenha vivido dentro de uma casa, significa que teremos de o ensinar a fazer xixi e cocó no lugar certo, entre tantas outras coisas. Pode demorar algum tempo a educar o nosso cão a fazer as suas necessidades na rua mas nunca podemos perder a paciência, uma vez que isso levará a uma deterioração da comunicação que estabelecemos com ele.

Tal como nós, os cães não nascem ensinados e precisam do seu tempo, que varia de cão para cão, para assimilarem as regras de convivência que queremos ver cumpridas. Para fazerem as necessidades no exterior, o processo de aprendizagem dos cães deverá dividir-se em três passos.

 

Primeiro passo: escolher uma zona da casa para educar o meu cão a fazer xixi e cocó

A primeira coisa que tem de fazer é escolher uma zona da casa, que pode ser a cozinha, a casa de banho ou qualquer outra divisão, onde o seu cão possa fazer as suas necessidades. Nessa zona, que deve estar afastada do local onde o cão dorme por questões de higiene e porque, instintivamente, os nossos patudos procuram manter a sua zona de conforto limpa, devemos colocar um resguardo. É precisamente em cima deste resguardo que o cão deve fazer as necessidades.

Como o resguardo tem uma superfície diferente, sendo naturalmente absorvente, mais cedo ou mais tarde os nossos companheiros de quatro patas perceberão que aquele pequeno espaço serve precisamente para fazerem xixi e cocó.  Se a casa for grande, convém que eles não tenham acesso a todas as divisões, pois isso aumentará a probabilidade de fazerem as suas necessidades nos lugares errados. É bom que fiquem cingidos a uma parte da casa para que tenham o resguardo sempre por perto.

 

Segundo passo: estar atento aos sinais e recompensar sempre que o meu cão fizer as suas necessidades no local certo

Se observarmos atentamente os nossos cães, começaremos a compreender os seus sinais e a antecipar o momento de fazerem xixi ou cocó. Nessa altura, antes de começarem a fazer as suas necessidades, devemos pegar neles de forma gentil e colocá-los em cima do resguardo. Cada vez que o seu cão fizer as suas necessidades no resguardo deve recompensá-lo com festas e com um biscoito para que percebam que aquele é o local certo. Se os apanharmos a meio devemos também colocá-los no resguardo gentilmente, sem, no entanto, recompensá-los.

Recompensar o comportamento que aprovamos para que o cão crie uma associação positiva e o volte a repeti-lo cada vez mais vezes é a base do treino pelo reforço positivo, o qual norteia todos os treinadores modernos.

Esta especial atenção ao cão na fase em que se está a integrar na sua nova família significa que todos aqueles que pensam em ter um devem estar cientes que nos primeiros tempos terão que lhe dedicar bastante tempo.

Terceiro passo: ensinar o meu cão a fazer as suas necessidades na rua

Quando o cão já souber que é no resguardo que se fazem as necessidades, podemos dar o terceiro e último passo, que é a passagem do resguardo para o exterior.

Para levarmos o nosso cão a passear nas redondezas de casa é muito importante que já esteja vacinado, por forma a evitar que contraia doenças na rua, que podem ser transmitidas pelos dejectos de outros animais, pelo lixo, entre outras coisas que encontramos num contexto urbano.

Completada a vacinação, os cães já podem passear à vontade. Sempre que o seu cão fizer xixi ou cocó na rua, deve recompensá-lo, tal como fez anteriormente para o ensinar as suas necessidades fazer no resguardo.

Para que agora o seu cão aprenda a fazer sempre as necessidades no exterior, é fundamental implementar rotinas de passeios, estabelecendo horários relativamente rígidos e proporcionando-lhes, pelo menos, quatro passeios por dia. Seguindo estes horários, o cão perceberá quais são as fases do dia em que vai à rua e, a partir daí, estará pronto para se controlar e só fazer as suas necessidades quando estiver no exterior.

No início, é normal que o nosso patudo tenha alguma inibição em fazer as necessidades fora de casa, uma vez que existem mais estímulos que o distraem e que lhe tiram a descontracção necessária. No entanto, levando-o para um lugar calmo, ele acabará por fazer e aí teremos que o recompensar efusivamente.

Quando o nosso cão já tiver feito algumas vezes as necessidades na rua, num contexto de uma rotina de passeios bem implementada, podemos retirar o resguardo de nossa casa. Nesta altura, quando ele já só puder fazer no exterior, devemos continuar a recompensar por mais algum tempo para que este comportamento fique completamente assimilado.

 

Manter o comportamento: como garantir que o meu cão faz sempre as suas necessidades na rua?

É fundamental manter a rotina dos passeios, caso contrário, poderá haver uma regressão, o que é perfeitamente normal pois estamos a falar de uma necessidade básica.

À medida que o cão vai crescendo, podemos reduzir o número de passeios por dia, uma vez que ele já se controlará melhor. Ainda assim, recomenda-se que no mínimo sejam dados três passeios, embora cada cão tenha uma necessidade de actividade física diferente, o que deve ser levado em conta pelos donos.

Mesmo que o seu cão mostre ter uma grande capacidade para aguentar muitas horas sem fazer as necessidades no exterior, não deve nunca aproveitar-se disso, pois, para além de deixar o cão numa situação desconfortável, poderá estar a contribuir para o surgimento de problemas de saúde.