Cão Nosso - Pet Sitting Lupa icon open

Tudo sobre Cães

21.03.2020

OS CÃES E O CORONAVÍRUS

Tópicos: Saúde
Ao que tudo indica, felizmente, cães e gatos não constituem uma verdadeira preocupação face a esta pandemia que nos surpreendeu a todos.

Como sempre acontece nos momentos em que enfrentamos algo desconhecido, o medo aparece e com ele as teorias mais absurdas facilmente conseguem convencer. A desinformação sobre o coronavírus tem sido muita, nomeadamente no que se refere à potencial infecção dos cães e gatos e ao respectivo contágio destes para os humanos. É sobre este tema que pretendemos esclarecer os nossos leitores.

Em Dezembro de 2019, um novo vírus foi identificado na cidade chinesa de Wuhan, capital da província de Hubei, localizada bem no centro do país, quando um afluxo anormal de pessoas chegou aos hospitais com uma pneumonia. A propagação do vírus, num país com milhões de pessoas, foi muito rápida e não tardou a alastrar-se aos quatro cantos do mundo, tendo chegado oficialmente a Portugal no passado dia 2 de Março.

O impacto deste novo coronavírus tem sido muito significativo, razão pela qual é considerado, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), um risco para a saúde pública a nível internacional.

O que é o coronavírus?

Segundo a OMS, os coronavírus são um grande grupo de vírus que podem afectar diversos animais, inclusivamente seres humanos. Alguns coronavírus infectam mamíferos e outros pássaros e peixes. 

Existe o coronavírus canino e o coronavírus felino, ambos pertencentes, naturalmente, à família dos coronavírus que infectam os mamíferos. Ao passo que o coronavírus que afecta os cães apenas lhes causa uma leve diarreia, o coronavírus felino pode causar Peritonite Infecciosa Felina (PIF), sendo, por isso, mais grave.

O novo corononavírus que surgiu foi chamado, no passado dia 11 de Fevereiro, severe acute respiratory syndrome coronavírus 2 (SARS-Cov-2) pela OMS, e a doença por ele causada foi chamada, também neste dia e pela mesma organização, “Doença do Coronavírus 2019” (COVID-19). Este vírus, considerado um risco global à saúde pública e que tem levado muitos países a declarar o Estado de Emergência, poderá ter emergido através de uma fonte animal, embora ainda se esteja para descobrir a verdadeira origem.

O que é facto é que o novo coronavírus se transmite muito facilmente de pessoa para pessoa, através de partículas respiratórias que se espalham quando alguém infectado tosse, espirra ou fala. As pessoas que contraem este vírus e que já tenham uma idade avançada podem não resistir à consequente pneumonia e morrer. Para além dos idosos, existem outras populações de risco, nomeadamente pessoas com doenças respiratórias, doentes cardíacos e diabéticos.

Infelizmente, por ser um vírus novo e por não haver (ainda) uma vacina que o previna, muitas pessoas, um pouco por todo o mundo, têm perecido.

Os cães podem ser infectados pelo novo coronavírus?

Como já vimos, a comunidade médico veterinária conhece há muito as infecções causadas pelo coronavírus em animais domésticos. Todavia, nem o coronavírus canino, nem o coronavírus felino, são o mesmo vírus que aquele que está a deixar o mundo inteiro em alerta.

Segundo o Departamento de Agricultura, Pesca e Conservação de Hong Kong (AFCD), “não há evidência que os animais de companhia possam ser infectados pelos vírus da COVID-19”. Apesar de, como nos informa a prestigiada veterinária Rachel Barrack, um cão idoso ter registado resultados “fracamente positivos” em Hong Kong, este é o único caso conhecido e o cão nunca apresentou sintomas e recuperou sem qualquer dificuldade.

Assim sendo, podemos dizer com segurança que este vírus não representa perigo para os nossos patudos, sejam eles cães ou gatos.

Existe contágio do coronavírus entre cães e pessoas

De acordo com a OMS, não existem evidências de que os animais possam transmitir este novo coronavírus a outros animais, incluindo seres humanos. No entanto, temos de ser prudentes e, nesse sentido, o Center for Disease Control and Prevention, com sede nos Estados Unidos, faz a seguinte recomendação: “Deve limitar o contacto com animais de companhia, e outros animais, enquanto estiver doente com COVID-19, tal como deve fazê-lo face a outras pessoas”.

Embora este organismo reconheça que não existe nenhum caso conhecido de infecção de animais a pessoas relativamente ao novo coronavírus, não deixa de aconselhar cautela até que se tenha mais conhecimento sobre este vírus. Neste sentido, sempre que possível, todos aqueles que estiverem infectados devem evitar o contacto com os animais de companhia, inclusivamente com os seus, caso tenham alguém que cuide deles. Para os que estiverem doentes e não possam confiar os seus animais a ninguém, não haverá problema conquanto lavem as mãos antes e depois de com eles interagirem, podendo também usar luvas.   

Conclusão: os cães não são uma preocupação face ao coronavírus

Ao que tudo indica, felizmente, cães e gatos não constituem uma verdadeira preocupação face a esta pandemia que nos surpreendeu a todos. Ainda assim, dado o facto de termos muito para aprender acerca deste vírus, é fundamental que todos os donos e profissionais que trabalham com animais de estimação assumam todas as medidas de segurança, diminuindo, assim, o risco ao máximo.

Estas medidas passam por, essencialmente, lavar as mãos antes e depois do manuseio, usar luvas sempre que possível e não tossir, espirrar ou falar na direcção do animal quando este está próximo.