icon open
Cão Nosso - Pet Sitting

Tudo sobre Cães

06.12.2017

SOCIALIZAÇÃO: UM ASPECTO FUNDAMENTAL NA VIDA DO SEU CÃO

Tópicos: Socialização, Treino de Cães,
A socialização activa e controlada é um aspecto absolutamente fundamental para o desenvolvimento emocional e bem-estar de um cão.

Tal como nós, o cão é um animal social. O contacto e a socialização com animais da mesma espécie é fundamental para o seu equilíbrio emocional e para o seu bem-estar.

O período de socialização do cão começa por volta das três semanas após o seu nascimento. O contacto com a mãe e com os irmãos constitui uma fonte de aprendizagem imprescindível, onde são assimilados comportamentos básicos ao nível das relações. No tempo em que vive com a sua progenitora e com os seus irmãos aprenderá, por exemplo, a não morder com excessiva força, pois saberá que isso desencadeará uma reacção negativa do outro lado. Este comportamento adquirido é conhecido como “inibição da mordida”.

Dada a importância da aprendizagem desenvolvida com a sua família biológica, um cachorro nunca deverá ser retirado da sua progenitora e da sua ninhada antes das 8 semanas. Se algum criador lhe sugerir levar um exemplar com menos de dois meses de idade, vá para casa e procure outro criador que não se preocupe mais com o dinheiro do que com o desenvolvimento saudável dos seus cães. 

Naturalmente, nos casos de adopção, não se poderá controlar estas situações e o adoptante terá que estar ciente de que o cão que trará para casa constitui uma caixinha de surpresas, uma vez que o seu passado é desconhecido. É muito importante que todos aqueles que pensam adoptar um cão tenham consciência disso, evitando causar as enormes dores de cabeça às associações de protecção dos animais nos momentos em que alguns adoptantes resolvem “devolver” o seu cão sob o pretexto de não serem capazes de lidar com ele e, principalmente, evitando causar ainda maior ansiedade e insegurança ao próprio cão.

 

QUANDO O CACHORRO CHEGA A CASA

Na maioria das vezes, quando trazemos um cachorro para casa, este ainda não pode passear na rua porque não tomou todas as vacinas necessárias para o fazer em segurança. Nesta fase, os donos costumam deixar os seus cães em casa o dia todo, muitas vezes por indicação do veterinário, o que constitui um erro. Devem, antes, levá-lo consigo quando se deslocam a casa de um amigo ou a outro local em que isso seja possível. 

Qualquer dono terá que se certificar que as primeiras experiências perante os mais variados estímulos, como os barulhos dos carros e das motas, a presença de diferentes tipos de pessoas ou a presença de diferentes tipos de cães, sejam positivas. Uma socialização activa bem encaminhada trará benefícios incalculáveis para o equilíbrio emocional de um cão, impedindo o desenvolvimento de medos ou desconfianças. Para um dono que tenha dificuldade em introduzir o seu cachorro a outros, pode sempre recorrer às puppies classes, onde se juntam vários cachorros sobre a orientação de um profissional.

A partir do momento em que se pode passear com um cachorro na rua, após a primovacinação, deve passar-se o maior tempo possível no exterior para que o cachorro contacte com vários estímulos que ainda não conheça. E, mesmo que já tenha conhecido várias pessoas e cães, deve conhecer ainda muitos mais para que aprenda a comunicar cada vez melhor. Muitos especialistas em psicologia e comportamento canino defendem que, até às 16 semanas de idade, um cachorro precisa de conhecer, aproximadamente, 50 a 100 pessoas diferentes (inclusivamente crianças) e 100 cães diferentes.

Obviamente que esta socialização terá que ser controlada e, por isso, é sempre importante certificar-se com os outros donos se os seus cães são sociáveis, designadamente com cachorros.

Para que se desenvolva mais eficazmente uma associação positiva com os diferentes estímulos do dia-a-dia, deve recorrer-se ao reforço positivo, dando um biscoito (ou outra recompensa) no momento em que o cachorro se depara com eles e no momento em que este oferece um comportamento apropriado perante os mesmos

 

25 PESSOAS/ANIMAIS COM QUEM O SEU CÃO DEVE CONTACTAR NOS PRIMEIROS MESES DE VIDA

1-    Mulheres
2-    Homens
3-    Crianças
4-    Idosos
5-    Homens com barba
6-    Pessoas com chapéus
7-    Pessoas com óculos escuros
8-    Pessoas com mochilas
9-    Pessoas com sacos das compras
10-    Pessoas com bengalas ou muletas
11-    Pessoas em cadeira de rodas
12-    Pessoas com carrinho de bebé
13-    Mendigos
14-    Carteiros
15-    Cantoneiros
16-    Pessoas a andar de bicicleta
17-    Pessoas a andar em veículos motorizados, principalmente motas
18-    Pessoas a andar de skate ou de patins 
19-    Cães (machos e fêmeas) grandes
20-    Cães (machos e fêmeas) pequenos 
21-    Cães (machos e fêmeas) com muita energia 
22-    Cães não castrados ou cadelas não esterilizadas
23-    Cães castrados e cadelas esterilizadas
24-    Gatos
25-    Outros animais domésticos com quem ele se possa cruzar

 

QUANDO O CÃO JÁ É ADULTO

Mesmo em adulto, a socialização deve estar sempre presente na vida de um cão. Ela é fundamental para o seu bem-estar e proporcionar-lhe-á grandes momentos de alegria. As creches caninas são excelentes lugares para que os cães possam conhecer e conviver com vários elementos da sua espécie ao mesmo tempo.

Se o seu cão tem problemas no relacionamento com outros cães e não os consegue resolver, contacte um treinador que baseie o seu conhecimento e as suas técnicas no reforço positivo.