icon openMenu
Cão Nosso - Pet Sitting

Cão de Água Português

FICHA TÉCNICA

HISTÓRIA

Um histórico pescador

Esta raça antiga que esteve bastante perto da extinção é hoje a raça portuguesa mais conhecida internacionalmente.

Segundo o médico-veterinário Manuel Fernandes Marques, no seu livro “O Cão de Água”, publicado em 1938, os antepassados desta raça eram conhecidos pelos romanos como o “Cão Leão”, dada o seu particular corte de pêlo. Esta antiguidade da raça poderá indicar que os seus antepassados são os mesmos dos do Caniche (Poodle).

O que é facto é que os pescadores portugueses, particularmente os do Algarve, encontravam no Cão de Água o companheiro ideal para a sua actividade, reconhecendo-lhe os mesmos deveres e direitos que eles próprios tinham. Magnífico nadador, este cão era utilizado para recuperar o peixe que escapava dos anzóis ou das redes de pesca, tendo, muito provavelmente, salvado muitos dos pescadores que não sabiam nadar. Outra importante função desta raça era a de transporte das mensagens de barco para barco, dado que, na altura, não havia rádios, contribuindo para a coordenação e eficácia da actividade piscatória. Nos tempos livres, o Cão de Água Português tinha, ainda, a função de guardar a embarcação.

Respeitando o trabalho e a dedicação do seu companheiro canino, os pescadores dividiam com ele o peixe e até o dinheiro que faziam com a respectiva comercialização, o qual era gerido pela pessoa responsável pelos seus cuidados e tratamentos.

O ilustre escritor Raúl Brandão assistiu ao trabalho em equipa entre os pescadores de Olhão e o Cão de Água Português, registando a sua consideração por estes animais no livro “Os Pescadores”, escrito em 1923.

No início do século XX, com a chegada da revolução industrial a Portugal e a consequente modernização da frota pesqueira portuguesa, o trabalho do Homem e do cão foi sendo gradualmente substituído, levando a que o Cão de Água Português apenas estivesse presente na costa algarvia.

Contudo, graças ao empresário e filantropo Vasco Bensaúde, sócio e gerente de uma empresa de conservas que detinha uma frota pesqueira, a sobrevivência da raça foi garantida. Ainda assim, no ano de 1981, o Cão de Água Português foi considerado a raça mais rara do mundo, pelo Guinness Book of Records.

temperamento

Um trabalhador incansável

Corajoso, inteligente e resistente, o Cão de Água Português é uma raça com muita energia para gastar, pelo que o dono deve estar preparado para o exercitar diariamente. Assim, e embora esta energia inesgotável lhe dê uma impressionante capacidade de trabalho, aqueles que possuam um exemplar desta raça somente para companhia terão que estar preparados para passar bastante tempo ao ar livre.

O Cão de Água Português não se adequa, contudo, à vida no exterior de casa, sendo extremamente ligado à sua família e reagindo bastante mal à solidão – o que se compreende pelo seu passado de trabalho junto do Homem –, que o poderá levar a desenvolver comportamentos destrutivos.

saúde

Sendo uma raça saudável, os seus problemas mais comuns relacionam-se com a displasia da anca e com questões relacionadas com o aparelho visual, como é caso das cataratas e da atrofia progressiva de retina.

Uma das particularidades desta raça relaciona-se com a inexistência de uma camada de subpêlo, fazendo com que não exista troca de pelagem e, por consequência, com que largue muito pouco pêlo.Esta característica torna-a numa óptima escolha para famílias onde um ou mais membros têm alergia ao pêlo.

Ainda assim, a pelagem comprida do Cão de Água Português exige uma atenção cuidada.

características

Curiosidades

O facto de o Cão de Água Português libertar menos pêlo comparativamente a outras raças levou o Presidente norte-americano, Barack Obama, a adoptá-lo na Casa Branca como cão de família, uma vez que a sua filha Malia sofre de alergia ao pêlo dos cães.

partilhar
partilhar